Arquivo para dezembro \24\UTC 2008

Nova lei permitirá concessão de aposentadoria em 30 minutos

Amanda Cieglinski
Da Agência Brasil
Em Brasília

 

A partir de 2 janeiro de 2009, a aposentadoria urbana por idade – aos 60 anos para a mulher e aos 65 para o homem – será concedida em 30 minutos. É o que promete a lei complementar publicada ontem (22) no Diário Oficial da União que amplia a base de dados certificados do Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS).

O ministro da Previdência Social, José Pimentel, garantiu hoje (23), em entrevista a emissoras de rádio, no programa Bom dia Ministro, que as 1.110 agências do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) estão preparadas para esse atendimento.

“Nós vamos aposentar o saco de documentos que o trabalhador trazia para ter a concessão do seu benefício. É um conjunto de ações que estão sendo tomadas para simplificar a concessão do benefício previdenciário, agilizar o atendimento e, ao mesmo tempo, combater as fraudes”, afirmou Pimentel.

Para solicitar o benefício, o único documento exigido do trabalhador será a carteira de identidade. A partir da base do CNIS vai ser emitido um extrato das contribuições e, segundo Pimentel, o benefício será concedido imediatamente. Para as aposentadorias por tempo de contribuição, o atendimento estará disponível a partir de março. Em julho, o sistema passa a valer também para o segurado especial – agricultores familiares, pescadores e extrativistas.

Os trabalhadores podem agendar previamente o atendimento nas agências da Previdência pelo telefone 135. Segundo o ministro, todos os funcionários foram treinados durante os últimos três meses para trabalhar com o novo sistema.

“Nós fizemos um forte investimento na Dataprev [a Empresa de Processamento de Dados da Previdência Social], com aporte de recursos significativos, aquisição de equipamentos, capacitação e qualificação dos servidores. Isso é fruto do bom processamento de dados que tem a Dataprev e a rede bancária que nos ajuda. Todas as nossas agências estão integradas com acesso à internet”, explicou.

Questionado sobre o cumprimento desse prazo de 30 minutos e possíveis punição das agências que o extrapolarem, o ministro afirmou que a própria sociedade fucionará como fiscal da lei. “A gente acabou com as filas sem qualquer punição, por meio de um processo de conscientização, melhor atendimento e ampliação do quadro de servidores da Previdência Social”, defendeu.

 

 

Obs.: Será? No Brasil, onde a lei não funciona, acho difícil isso acontecer.

 

Em pronunciamento, Lula afirma que crise econômica não assusta o Brasil

BRASÍLIA – Em pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse na noite desta segunda-feira que a crise não assusta o Brasil. Ele reafirmou que o país está preparado para enfrentar as turbulências e vai continuar crescendo no próximo ano.

“Quero dizer, com toda a serenidade, que a crise não nos assusta. O país está preparado e tem comando. Seguiremos acompanhando com lupa a situação da economia, 24 horas por dia. O que tiver que ser feito, será feito. No tempo certo e na dose adequada. E sempre dialogando com o país”, disse na mensagem de Natal, que durou oito minutos.

Mais uma vez, Lula falou sobre as medidas tomadas pelo governo para evitar uma recessão no país por conta da crise, como controle da inflação, redução da dívida pública, diversificação dos produtos de exportação, reserva internacional de US$ 201 bilhões, aumento no número de empregos com carteira assinada, redução de impostos para estimular o consumo, reforço no caixa dos bancos estatais e quitação de dívidas com organismos internacionais, entre eles, o Fundo Monetário Internacional (FMI).

“Esses avanços estão permitindo ao Brasil enfrentar com firmeza e serenidade o atual momento”, garantiu Lula.

O presidente voltou a responsabilizar os países ricos pelo crise financeira mundial. “Esta crise, que afeta todo o mundo, foi provocada pela falta de controle do sistema financeiro nos países mais ricos. Em vez de cumprirem seu papel na economia, financiando o setor produtivo, os bancos viraram um grande cassino. A jogatina foi longe, mas, um dia, a conta chegou. Bancos quebraram, um grande número de empresas entrou em dificuldades e milhões de trabalhadores perderam suas casas ou seus empregos”, disse.

“Aqui no Brasil não tivemos este tipo de crise. Nosso sistema bancário estava e está saudável. Nossa economia, arrumada e organizada vem crescendo a taxas robustas, as maiores dos últimos 30 anos”, garantiu Lula em seu pronunciamento à Nação.

(Agência Brasil)

Obs.: Então, por favor, alguém me explique o porquê das milhares de demissões já feitas e outras milhares pevistas.

Charge – Néo

129_1859-17_12_2008

Vovó blogueira

016107070001Por Rachel  Sterman


Vovó Neuza é tão apaixonada por São Paulo, que o forro da mesa de jantar é um mapão do centro expandido.

Ela estava numa loja de informática esperando atendimento quando ouviu outro cliente perguntar ao vendedor, apontando um pen drive: “Isso aqui é um iPod?”. Vendo que o vendedor não respondia, tratou ela mesma de esclarecer a dúvida: “Não. Isso é um pen drive”. Todos na loja se surpreenderam: “Como a senhora sabe?”. E ela respondeu, com naturalidade: “Eu tenho um, oras”.
Neuza Guerreiro de Carvalho tem 78 anos. Fez faculdade na época que Biologia chamava-se História Natural. Formou-se em 1951, na Alameda Glette, no antigo casarão que abrigava alguns cursos da Universidade de São Paulo, muito antes da Cidade Universitária existir.
É natural do Brás, mas morou a vida toda na Lapa. Hoje, viúva há 8 anos, mãe dois filhos e quatro netos, dedica-se a atividade de resgate de memória da cidade São Paulo e publica suas pesquisas informais em um… blog! Sim, Dona Neuza é blogueira.
Fala com desenvoltura sobre o Google, Photoshop, Page Maker e pen drives. Foi iniciada na tecnologia quando cuidava da mãe doente, há cerca de dois anos, pelo filho que a ensinou a postar seus textos no blog. “Às vezes eu preciso tratar imagens e uso o Photoshop e, para diagramar meus livrinhos, uso o Page Maker”, conta.

Aprendeu mexendo, fez diversos cursos específicos e parece não se intimidar com a tecnologia. “Quis aprender, porque queria me sentir gente. Queria entender do que meus filhos estavam falando”, justifica. “Sou muito curiosa, sempre gostei muito de estudar. Então, a partir do momento que entrei na internet, tudo que eu queria, ia pesquisar. O Google está aí para me dar a resposta. É muito engraçado isso mesmo”, diverte-se.
Dona Neuza conhece profundamente a cidade. “Não só do ponto de vista turístico, de dizer datas etc. Eu conheço muito São Paulo de paixão”, declara. Estuda todos os cantos – tem preferência pelo centro – e não vê sentido em não compartilhar todo o conhecimento que adquire em suas andanças. “Sou paulista, paulistana, nunca saí daqui e leio muito sobre São Paulo. Fuço muito em tudo quanto é lugar, mas mais no Centro. Não dá, né? São Paulo é muito grande para você querer abranger muito”, esclarece.
Trabalha por conta própria no que chama de três vertentes da cidade: arte, literatura e música. Para isso, faz cursos de apreciação musical, história da arte no Brasil, arte e ciência e cinema. Todos na USP: alguns para terceira idade, outros como ouvinte na graduação. Já foi convidada para trabalhar como estagiária na Estação Pinacoteca (Fundação Nemirowsky) e atualmente ministra oficinas sobre resgate de memória para idosos no Museu da Língua Portuguesa.

Dona Neuza guarda livrinhos – diagramados por ela – com todas as histórias que escreve no blog e algumas que prefere não publicar

Por cada lugar que passa, Dona Neuza faz uma intensa e pesquisa e o resultado posta em seu blog. “Já que eu faço, quem não conhece, fica conhecendo”, revela. Em seu espaço na internet, a senhora coloca todos os tipos de textos: pesquisas feitas sobre monumentos da cidade com fotos, dicas sobre lugares interessantes (e baratos) para ir e, sua última investida, é postar os textos que ficam guardados na estante de sua casa: uma retrospectiva de sua vida, desde o dia que nasceu até hoje. A cada começo de ano, Vovó Neuza (como é conhecida na blogosfera) termina o capítulo do ano que se passou.
E pretende seguir fazendo isso: compartilhar pelo blog Vovó Neuza suas histórias, curiosidades e personagens – geralmente estáticos – de São Paulo.

Confira: http://vovoneuza.blogspot.com/

Para que mais?

Por Elizânio Silva

O Senado Federal aprovou ontem, na calada da noite, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que aumenta o número de vereadores em várias Câmaras Municipais do país. De acordo com o documento, os legisladores passam dos atuais 51.924 para 59.267.

 

Num país onde a corrupção tem se intensificado cada vez mais e os políticos perdem a credibilidade dia após dia, o aumento do número de vereadores não vai melhorar em nada a vida das pessoas, ao contrário. Em alguns casos, será uma porta aberta aos corruptos de plantão, preocupados apenas com as benesses do poder.

 

Em São José, por exemplo, a partir de janeiro o salário dos senhores da lei passa dos atuais R$ 4.500,00 para mais de R$8.000,00. Aumento de mais de 80%, aprovado pela maioria dos vereadores. Quem não gostaria de ter o poder de aumentar o próprio salário? Será que, se a remuneração fosse de apenas um salário mínimo, como da maioria dos brasileiros, teria tanta gente querendo ser vereador?

 

Não precisamos de mais vereadores. Precisamos que os eleitos representem bem a população joseense. Que votem projetos em favor da educação, saúde, transporte e tantas outras necessidades dos mais carentes.

 

Vamos cobrar aqueles que foram eleitos e os que futuramente irão assumir, caso o presidente Lula sancione a lei, afinal só estão lá por causa do povo que os elegeram.  

Sapatinho Global

2co3e34

Sugestão de leitura

Por Elizânio Silva

Para aqueles que gostam de uma boa história cheia de desafios, surpresas e percalços deixou aqui uma sugestão de leitura. O livro “Um homem Um rabino”, que conta a trajetória de Henry Sobel, ex-presidente da CIP (Congregação Israelita Paulista), é cheio de boas histórias e fatos que marcaram o Brasil e o mundo.

 

Nascido numa tradicional família judia, o ainda jovem rabino Henry Sobel, chegou ao país no momento mais conturbado de sua história, durante a ditadura militar. Sem medo de enfrentar novos desafios e lutando pela defesa da vida, o líder judeu entrou para a história como um dos religiosos mais influentes de seu tempo.

 

No livro, Sobel não foge aos assuntos mais polêmicos. Abordou com muita propriedade o episódio mais triste de sua vida, ocorrido no dia 23 de março de 2007. Sobel foi preso numa loja em Palm Beach, no Estado da Flórida, Estados Unidos, sob acusação de furtar duas gravatas.    

 

Bom é isso! Fica a sugestão! Leiam e divirtam-se!

 

Abraços!

2489631gg