Achei um cão na rua, e agora?

906415404Por Ana Corina

Todos os dias recebo e-mails e ligações com as mesmas dúvidas: “Vi um cachorro doente na rua”, “Tem uma cadela grávida ou no cio na minha rua”, “Achei uma caixa com filhotes”, ou ainda “Vou me mudar, o que faço com meus cães/gatos?”.
Gostaria que todos os que me escrevem/ligam entendessem o seguinte: as pessoas que ajudam os animais fazem a mesma coisa que qualquer pessoa que quer ajudá-los, inclusive você, pode fazer. Estas pessoas gastam tempo, dinheiro e muita energia ajudando estes animais. Não é nem justo que ainda tenham que dar conta dos animais que outras pessoas encontraram. Não há um lugar mágico e agradável para onde levar estes animais. Não há uma conta bancária de onde sairá dinheiro infinito para comprar remédios, pagar veterinários etc.
Então, por favor, leiam com atenção:
Tem um cachorro abandonado/doente/machucado no meu caminho…
Se você teve coração para se comover e quer socorrê-lo, o passo a passo de quem ajuda cães/gatos é o seguinte:

  • Recolher o animal da rua;
  • Levá-lo a um veterinário (já peguei táxi, já fui a pé, já chamei amigos, já pedi carona…);
  • Em caso muito grave, solicitar a eutanásia;
  • Em casos tratáveis, pagar o veterinário, os gastos com o tratamento e, se for o caso, com hospedagem até o animal ficar bom (conheço pessoas que fazem empréstimos, vendem objetos pessoais, fazem rifas, ações entre amigos, mas nunca, jamais, deixaram de ajudar um animal porque não tinham dinheiro);
  • Castrar o animal (há clínicas que fazem esta cirurgia por um preço social e há prefeituras que fazem de graça. Aqui sim você pode me escrever dizendo qual seu bairro para eu pesquisar um local que possa lhe dar descontos etc.);
  • Tirar fotos para anunciar este animal por meio de e-mails, sites e cartazes. Anunciar este animal em jornais é uma das melhores maneiras de divulgá-lo. A partir de hoje só divulgarei animais adultos no blog se estiverem castrados. Só farei divulgação de filhotes se conhecer muito bem a pessoa que estiver doando e tiver certeza de que irá castrá-los mesmo depois de doados.

Muitas vezes quem socorre um animal não tem como levá-lo para casa (eu, inclusive). Então esta pessoa fala com amigos, conhecidos, parentes e arruma um lugar onde ele possa ficar até ser adotado ou até ser castrado e ser devolvido às ruas com saúde. Não há nada de errado em cuidar de um animal, castrá-lo e devolvê-lo às ruas.Errado, é não socorrer o animal ou querer passar a responsabilidade para outros.
Tem uma cadela grávida ou no cio na minha rua, o que eu faço?
Siga todos os passos de “Tem um cachorro abandonado/doente/machucado no meu caminho”, com a diferença que a cadela deve ser castrada imediatamente, não importando quão grávida esteja. Veterinários experientes fazem a cirurgia com tranquilidade e competência.
Está pensando em deixá-la dar cria? Lembre que não existe lugar para levar os filhotes e que estes precisam ficar com a mãe por no mínimo 45 dias. Considere que eles precisarão de vermífugos mensais, três doses de vacina polivalente cada um, mais uma de raiva. Filhotes devem ser doados com compromisso de castração. Se os adotantes não aceitarem a castração quando chegar a data (6 meses de idade), você deve pegar o animal doado de volta, castrá-lo e doá-lo novamente para outra pessoa. Se não quiserem lhe devolver o animal para que seja castrado, faça um Boletim de Ocorrência. Nunca doe sem assinar o Termo de Adoção!

Achei uma caixa com filhotes, e agora?Agora, leve estes filhotes ao veterinário para que ele decida se estão saudáveis ou se a eutanásia é necessária. Se não for o cas o: não existe lugar para levar os filhotes. Pense que eles precisarão de vermífugos mensais, três doses de vacina polivalente cada um, mais uma de raiva. Filhotes devem ser doados com compromisso de castração. Se os adotantes não aceitarem a castração quando chegar a data (6 meses de idade), você deve pegar o animal doado de volta, castrá-lo e doá-lo novamente para outra pessoa. Se não quiserem lhe devolver o animal para que seja castrado, faça um Boletim de Ocorrência. Nunca doe sem assinar o Termo de Adoção!

Vou me mudar e não posso levar meus cães/gatos?Estes animais são responsabilidade sua. São seres vivos e você deveria ter pensado em como a sua vida poderia mudar antes de adquiri-los. Para doá-los, proceda da mesma maneira como se tivesse achado um cão/gato na rua. Dicas para doar um cão/gato de maneira a realmente contribuir com a diminuição do abandono, maus-tratos e animais de rua:

  • Doar animais sem castrar é salvar uma vida e ser culpado por várias mortes. As chances de sobrevivência de todos os descendentes diretos e indiretos do animal que você não castrou (macho, inclusive) são pequenas.
  • Mesmo sobrevivendo e virando adultos as chances de todos os descendentes diretos e indiretos do animal que você não castrou (macho, inclusive) terem uma vida digna são mínimas.
  • Além disso, estes animais crescerão para gerar outros e outros e outros, que gerarão mais outros e mais outros etc;
  • O animal deve estar saudável e castrado;
  • Bata as fotos para divulgação do animal bonito e recuperado, assim suas chances de adoção aumentam muito;
  • Sempre visite o local para onde este animal irá. Não adianta retirá-lo de uma situação ruim e doá-lo sem critério algum, sem saber se ele terá um quintal de onde não possa fugir se terá um abrigo que o protegerá do frio, do calor e da umidade, se o adotante terá dinheiro para sustentá-lo dignamente, além de vaciná-lo anualmente e levá-lo ao veterinário sempre que necessário. A pessoa também precisa ter espaço adequado ao porte do animal, além de tempo para brincar com ele;
  • Doar animais sem pesquisar o adotante é o mesmo que desová-lo de qualquer maneira;
  • Imprima e preencha o Termo de Adoção (disponível nos sites da OBA!  e do É o Bicho);
  • Fique com sua cópia do Termo de Adoção e faça acompanhamento para saber se o animal está bem, se está integrado com a família e também para saber quando deverá castrar os filhotes doados;
  • Sempre deixe bem claro que a pessoa pode devolver o animal para você se tiver problemas;
  • Sempre deixe bem claro que a pessoa não poderá repassar o animal adiante sem sua autorização (neste caso você faz tudo que já fez com este adotante, visita o local etc.).

Ai, Ana, mas tudo isto? Sim, e muito mais. Achou muita coisa? Achou difícil?
Então, sinceramente, se não estiver disposto a fazer da maneira que realmente ajudará a diminuir o número de animais sofrendo no mundo, nem entre em contato pedindo ajuda, porque já deu para perceber o quão ocupadas estão as pessoas que se decidiram não só salvar a vida de um animal, mas também a ajudar a parar com a reprodução desenfreada.
Se você não faz parte da solução, faz parte do problema.

Mais informações: TelmaCãopanhia Vira Lata: 12 8804 2321

“Próximo é tudo aquilo que Vive” Ghandi

Anúncios

2 Responses to “Achei um cão na rua, e agora?”


  1. 1 Daniella Serrano março 16, 2009 às 8:36 am

    TEm dois cachorros abandonado na minha rua n sei o que faço tem algum telefone para me fornecer Se tiver agradeço ele sofre muito quando chove .>>

  2. 2 Ana Corina maio 1, 2009 às 3:00 pm

    Olá, que delícia achar meu texto por aí!! Só não faltou um linkzito pro Mãe de Cachorro dentro do texto? Podes linkar no meu nome mesmo ou então bota “fonte: Mãe de Cachorro Também é Mãe” e linka, pode ser??

    Beijocas e obrigada por ajudar a educar as pessoas sobre a questão dos animais! Adorei o blog.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: